phillip-phillips

Amor e batalha judicial são os principais temas de “Collateral”, novo disco de Phillip Phillips

collateral-phil

Sim, assim como você viu no título desta postagem, “Collateral” – o tão esperado novo disco de Phillip Phillips – foi concebido num período em que o músico celebrava o amor e enfrentava uma batalha judicial. Explico nas próximas linhas!

Se você, acompanhou as postagens do artista, ao longo da divulgação do disco que demorou cerca de 4 anos para sair, percebeu que ele não estava satisfeito com muitas coisas.

Acontece que o processo judicial que inspirou o ganhador do American Idol durou até o ano passado. Decepcionado com o agenciamento de sua carreira, feito pela 19 Entertainment, o músico moveu uma ação para desobrigá-lo do contrato.

Segundo informações do processo, os acordos eram “opressivos”, e Phillips foi “manipulado” para aceitar trabalhos que beneficiaram apenas a empresa e seus afiliados, e não a ele. Após um acordo, a ação chegou ao fim, e o americano finalmente se viu livre para lançar um novo álbum.

Durante a questão judicial, Phillip continuou a compor. E por isso, segundo o artista, o nome do disco parece tão correto. “Foram tempos difíceis, tempos confusos, mas também de muito amor”, disse o músico em recentes entrevistas. “Eu me casei. Então, todas essas emoções passam por essas músicas. Achei que o título se encaixava muito bem”, continuou.

Tretas a parte, vamos falar sobre música!

O álbum, de 12 faixas inéditas, foi lançado no dia 19 de janeiro, e começa com a extasiante e “Magnetic”, uma canção que mostra com sua pegada bluesy o quanto Phill Phill estava com fome de novidade para seus fãs.

Em seguida, temos “Part of My Plan” é uma balada romântica com cordas deliciosas e que enfatiza a voz rouca de Phillips. Com ar de confissão, ele diz àquela a quem ama que eles são a única coisa que faz sentido neste mundo louco.

A terceira faixa, intitulada”My Name”, é pesada! Cheia de guitarras e bateria traz uma mensagem que parece ir direto a fonte da raiva do músico:“I’ll be like I am alive, open arms, open eyes / I’ll hear your voice through the crowd / I can hear you screaming out my name”.

Já “I Dare You” traz um ar sensual e jazzístico para o trabalho, nela o Phill evoca uma bela imagem de duas pessoas que dançam debaixo das estrelas com a promessa de confiar um no outro de todo coração.

“Sand Castles” tem um arranjo sombrio e fala sobre as ondas causadas por tempestades, e um reino em guerra quando se discute o conflito da vida.

Dividindo o disco temos a atrevida “Don’t Tell Me”, na qual Phillips articula a luta para superar um coração abandonado. Ela vem seguida de “Miles”, o primeiro single do disco, que preparou bem o caminho para os temas discutidos aqui. A faixa fala sobre andar por estradas rochosas e escolher se apoiar naqueles que você realmente ama. Na canção, o cantor imagina escapar do caos, ficando apenas com quem ele quer estar perto.

A romântica “Dance With Me” é uma música de amor, que tem um significado beeeem especial para Phillips. Ela foi escrita, especialmente, para a primeira dança com sua esposa, durante seu casamento.

Caminhando para o final do disco, nos deparamos com o delicioso rock ‘n roll de “Love Junkie”. A canção fala de um caso tão desejável e intenso, que chega a ser viciante.

A música mais enraizada no folk acústico é a vulnerável “Her Mystery”. Nela, ele fala sobre a sensação de baixar a guarda e abrir o coração para alguém que você sente que deve conhecer e estar junto. Essa é, sem dúvidas, uma das faixas com o arranjo mais bonito de todo o trabalho.

Chegamos a penúltima faixa: “What Will Become Of Us”. A voz intensa de Phillip, aparece aqui acompanhada de dedilhados de um violão acústico e um choroso cello. Essa é a música mais dolorosa do álbum, e nos deixa a sofrida questão “O que acontece depois do último adeus?”.

O álbum fecha com chave de ouro com a maravilhosa “Into the Wild”, de longe a minha favorita! Aqui, Phill canta sobre um pacto estreito. É uma mensagem de amor, apoio e aceitação que pode ser facilmente dirigida para os fãs leais que ficaram presos a sua música ao longo dos anos.

Sem dúvidas, este é um dos melhores trabalhos do rapazinho de Albany, Geórgia, que ganhou o mundo! Play para tirar a prova!


Com informações do Tracklist

Compartilhe