discos-fevereiro

Lançamentos do folk/country internacional em Fevereiro

Fevereiro tem sido um baita mês de lançamentos. Confere aí o que a gente ouviu!

Sawdust & Shavings –  Rocky Votolato (04 de fevereiro)

Que delícia de EP! As canções são bem suaves e delicadas. Excelentes para um dia descansando ou lendo numa boa. Algumas canções, como ‘This Is My Work’ me pareceu tão cruas, que pude imaginar o Rocky Votolato sentado em sua varanda tocando para meia dúzia de amigos. Eu gostei tanto que desejei que o EP fosse um disco de, pelo menos, umas 20 músicas.

JOHNNYSWIM Live At Rockwood Music Hall – JOHNNYSWIM (05 de fevereiro)

Quando o folk e soul se misturam, qualquer música fica muuuuito mais bonita. É esse o caso desse duo de Nashville formado por Amanda Sudano (filha de Donna Summer) e Abner Ramirez. Juntos desde 2005, e com uma bagagem de alguns EPs e discos, eles apresentam esse discão ao vivo. Bom demais!

The Driver – Charles Kelley (05 de fevereiro)

Taí um disco que eu não dava nada por ele. Mesmo gostando do Lady Antebellum, trio do qual o Charlles Kelley faz parte. Mas no fim das contas, me conquistou. Eu sinceramente achava que seria só mais um disquinho de pop-country, fórmula pronta e tal. Mas não, o Kelley me surpreendeu. ‘Dancing Around It’ é uma faixa que me pegou, totalmente radiofônica. A faixa ‘Southern Accents’, que conta com a parceria da veterana Stevie Nicks é belíssima. Aliás, ele acertou bem nas escolhas de parceria neste disco. O primeiro single, que dá nome ao disco, contou com a participação de Dierks Bentley, Eric Paslay. A premiada Miranda Lambert também aparece na faixa ‘I Wish You Were Here’. Vale o play!

Pretty Breakup Songs – Jesse Daniel Smith (07 de fevereiro)

O disco é bom, mas não me encantou como as músicas do Bride & Groom, ex-duo do Jesse Daniel Smith. A propósito, o tema do disco “fim de namoro” vem exatamente do fim do romance com a musicista Kaitlyn Raitz, que acabou levando o duo ao fim também. Enfim, vale ouvir. É um trabalho independente muito bem feito. A já conhecida ‘Nashville Baby’ está aí com um arranjo mais novo, ‘Lovely Montreal’ e ‘Sincinatti’ são muito boas também.

Time Of My Life – Ronan Keating (12 de fevereiro)

Como já havíamos anunciado aqui, Ronan Keating lançou seu novo disco solo. Desta vez, enveredando um pouco para o lado folk. Eu sou meio suspeita para falar do som do cara, afinal ele era o meu favorito na época em que ele integrava a boy band Boyzone, contudo tenho que ser sincera com vocês. O disco é bem produzido e tal, tem lá uma essência folk irlandesa (o Ronan é irlandês) mas as fórmulas são muito prontas. As românticas não tem muita diferença do som que ele já produzia. ‘She Knows Me’, por exemplo, tem cara de trilha sonora de comédia romântica. ‘In Your Arms’ é bom pedida, dedilhado bonito, voz mais imposta, algo mais melancólico. Mas a minha maior expectativa no disco era mesmo a versão dele para ‘Fawlling Slowly’, em parceria com o duo The Shires, que não apresentou nada novo. Bom, repito, o disco é bem produzido. Mas, ao meu ver, fraquinho.

Applewood Road – Applewood Road (12 de fevereiro)

Se você gosta das irmãs Staves, você vai gostar desse trio de Nashville, formado por Emily Barker, Amber Rubarth e Amy Speace. Clássico, sutil, maravilhoso.’Old Time Country Song’ é uma música deliciosa e ‘Row Boat’ a minha favorita. Na verdade, o difícil é dizer que música não é boa nesse disco. Tem uma essência do country americano aqui que deixa tudo mais bonito. Vale MUITO o play.

Good Advice – Basia Bulat (12 de fevereiro)

Folk canadense é bom! Basia Bulat mostra isso mais uma vez no seu quarto disco de estúdio. A canção que dá nome ao disco é uma maravilha. Mas ela manda muito bem nas faixas em que ela mistura pop e rock. Vai por mim, vale muito o play!

My Wild West Overture – Lissie (12 de fevereiro)

Esse é pra quem curte aqueles discos bem surpreendentes. Em faixas como ‘Sun Keeps Risin”, por exemplo, o som é bem cru. Lindo! Acho que a melhor faixa do disco, pelo menos para meu gosto. Mas aí, logo na sequência vem ‘Don’t You Give Up On Me’, agitada, com pegada eletrônica, guitarras, mas aquela essência folk lá no fundo, palminhas e tudo mais. Sensacional! E continua assim o disco todo. Coloque os fones e ouça alto esse daqui!

 

Oil & Water – Lee DeWyze (12 de fevereiro)

A semelhança com a voz do Marcus Mumford em algumas frases, quase mata a saudade do som maravilhoso que o Mumford and Sons nos mostrou no começo da carreira. Mas outras boas influências são facilmente percebidas neste disco. Lee DeWyze é mais um daqueles talentos que saíram do American Idol, ele foi o vencedor da edição de 2010. Difícil escolher a canção que mais gostei neste trabalho, arrisco ‘Stone’.

A Season On The Line – Glen Hansard (19 de fevereiro)

Rock e metais se juntam ao folk do Glen nesse discão. Na verdade, EP. Mas tão bom que a gente fica repetindo as faixas sem parar. As duas primeiras faixas pegam pesado, as duas últimas amaciam os ouvidos. Bom, sempre bom. Glen Hansard não costuma decepcionar, né verdade?

Compartilhe