18405391_1299971276776778_14479158_o

Lucas Medrado estreia no folk com “Simples Assim”; ouça

18379433_1299737183466854_1837458762_o

Data de Lançamento: 18 de janeiro 2017
Selo: Independente

Não é de hoje que compartilhamos com nossos leitores o folk cristão que tem sido feito no Brasil. A propósito, este segmento do estilo tem crescido de uma forma que devemos nos orgulhar. Lucas Medrado chega para engrossar esse caldo ao apresentar o disco “Simples Assim”, com a única diferença de denominação. Antes, recebíamos muitos trabalhos de artistas protestantes, até que enfim, nos chegou um católico. Como para nós, o que importa é a música feita com carinho, emoção e honestidade, ficamos muito felizes com essa novidade.

E só pra deixar você com vontade de ouvir, as influências de Lucas passam por caras como City and Colour, Ray LaMontagne e Amos Lee.

O trabalho abre com a balada “Confiança”, que lembra as melodias cheias de corda do Jorge Vercillo, música leve que faz a gente se balançar e bater o pezinho. A faixa seguinte “À espera” é uma delícia, a letra é fácil e precisa, a melodia contagia, fiquei cantarolando essa canção por dias. É de longe a minha favorita.

“Saudades do céu” chega com uma pegada mais acústica, bom para prestarmos mais atenção na letra que traz um ‘chacoalho’ no entendimento. “Maria de José” tem um toque caipira, e eu amo quando o folk brasileiro traz o caipira pra perto de si. Herança boa que temos de clássicos como “Romaria”, da lenda Renato Teixeira.

“Primeiro Passo” é mais uma acústica, desta vez mais leve, mas com uma reflexão também necessária, assim como em “Sou em Cristo”, sendo que esta tem uma pegada mais country-folk e a letra mais profunda. Pelo menos para mim. É a minha segunda favorita.

Os dedilhados em “Mesmo Imperfeito” chamam a atenção para o que vem a seguir, com a letra reflexiva e atual da faixa, que traz trechos como ‘eu não me preocupo tanto com a foto, o mais importante é o momento. Todos só vêem o que eu tenho por fora, Deus sabe o que eu sinto aqui dentro’.

“Recomeço” é mais uma faixa suave quebra um pouco a densidade da anterior com uma mensagem de esperança e abre caminho para “Maria Mãe dos Meus Sonhos”, faixa gostosa, uma baladinha suave.

O disco fecha com o “Alvo”, uma faixa mais para o lado blues country, com uma baita harmonia e uma narrativa ‘sincerona’.

A bela arte de capa é do designer e cantor, também católico, Bruno Camurati que participa na última faixa do trabalho. Linda, né?

Dá o play!

Compartilhe