foto-rayana-macedo-edit-nathalia-curti-4

Ouvimos: Victorino – Mês de Maio

capa_2017_1x1_mes_maioData de Lançamento: 19 de maio 2017
Selo: DaFne Music

Antes que maio acabe, precisamos falar sobre “Mês de Maio”, primeiro álbum em estúdio de Victorino que chegou para encorpar o cenário do “dream folk” brasileiro.

O disco abre com “Férias”, faixa que também abriu as divulgações do trabalho com uma pegada animada e ensolarada. Na sequência, “Sala de Atividades” chega cheia de brasilidade e com uma baita ligação com a nossa MPB.

“Rascunho”, uma das minhas faixas preferidas, é velha conhecida de quem acompanha o trabalho do rapaz. Presente em outro EP do músico, a canção ganha uma nova roupagem para este disco. Aqui o som cru é acompanhado de nuances experimentais, sem deixar de lado a profundidade de sua letra.

As cordas em “Sem Sentido” são lindas, e provam mais uma vez que Victorino consegue encaixar os beats nas melodias com um belo equilíbrio. O mesmo se aplica a “Pássaros”, faixa seguinte e que arrisco ser a minha segunda favorita.

A instrumental “Legendeer” é um baita destaque neste trabalho, o banjo com eletrônico ficou especial demais. “Mestre Sala” é outra faixa já conhecida que ganhou um toque ainda mais eletrônico aqui.

A curta “Infância” tem uma pegada mais ‘blueseira’ e acústica e parece dividir o álbum em uma segunda parte mais unplugged, que chega com a lenta e reflexiva “Nesses Tantos Anos”. A faixa tem uma letra apaixonante, belas cordas e uma gaita maravilhosa. Depois vem “Horóscopo”, que apesar de ainda ter uma base eletrônica, é muito mais trabalhada na delicadeza da voz e das cordas.

Para encerrar o disco, “Cadarço”. Uma história muito bem contada, uma melodia excelentemente arranjada e uma melodia cativante.

Só me resta deixar meus parabéns ao Victorino. E que venham mais trabalhos do estilo no Brasil.

Ah… A bela capa é do Leo Lage.

Agora, play!

Compartilhe