ze-geraldo-enquanto-ha-tempo

Zé Geraldo mostra que o folk de protesto continua bem vivo em clipe de Enquanto Há Tempo

Em 2015, o mineiro Zé Geraldo, um dos pais brasileiros do folk-rock, ou do rock rural – caso prefira, se juntou ao hitmaker Bruno Caliman para lançarem a faixa “Enquanto há tempo”.

E, às vésperas do dia 7 de setembro, onde o nosso país comemora a sua independência, Zé lançou pro mundo o clipe da faixa (que é dirigido pelo Caliman), mostrando que o folk de protesto continua bem vivo.

Nas imagens, Zé anda pelas ruas da cidade acompanhado de um grupo de jovens vestidos de preto e segurando suas armas, que neste caso são cartazes com trechos da letra. São frases como: “Nem vem prometer blá blá blá”, “Entreguem o Brasil para os professores” e “Enquanto há tempo”, frase que dá nome a canção.

É nítida a influência dos protestos de Dylan por aqui. “Tem uma nova canção no vento” certamente faz referência a “Blowin’ in the Wind” e os becos e cartazes me lembraram bastante o clipe de “Subterranean Homesick Blues”.

Apesar de gostar de todas as vertentes do estilo, é sempre bom ver que o bom e velho folk de protesto continua de pé! Obrigada, Zé Geraldo!

Veja a letra da música na íntegra:
Enquanto há tempo

Entreguem o Brasil para aquela senhora que adotou 20 crianças no Pará
Para o rapaz cansado no ônibus que levantou pra gestante sentar
Pro gari que devolve a carteira com a grana que ele tanto precisa
Pro taxista que não pegou o percurso mais longo pra enganar o turista
Cansamos de ter que escolher entre a má sorte e o azar
Nem vem prometer de novo esse blá blá blá
Tem gente cantando uma nova canção eu já posso escutar

Entreguem o Brasil para os professores que passam apuros que só eles sabem
Para os médicos que amam o que fazem e amam aqueles por quem eles fazem
Pros jogadores que dão bons exemplos e não o exemplo de enganar o juiz
Pro político que ainda se preocupa com o que o travesseiro lhe diz
Tem uma nova canção no vento e eu já posso escutar

Entreguem o Brasil para os que não furam filas, não furam sinais, não furam acordos
Para o motorista que respeita a vaga do idoso
Pra garota que limpa a sujeira do próprio cachorro

Entreguem o Brasil para aquele aluno que dá bom dia ao professor
Para o cara que ama outro cara é não importa que tipo de amor
As pessoas de bem estavam caladas
Mas tem uma canção no vento
Entreguem o Brasil para elas, entreguem agora
Enquanto há tempo
Tem uma nova canção no vento e eu já posso escutar

Compartilhe