of-monsters-and-men-dirty-paws-la-blogotheque-535

Sete shows folk inesquecíveis que você gostaria de ter assistido

Ingresso caro, filas quilométricas, empurra-empurra e aquele montão de gente suada encostando em você. Parece a visão do inferno, mas é só o show da sua banda favorita. E dependendo do seu amor (e paciência), você ainda comete aquela loucura de tentar ficar lá na frente, sendo espremido ou espremida na grade, só para conseguir ver os seus ídolos de pertinho.

É muito sacrifício! Mas já imaginou não passar por nada disso e curtir o melhor show da sua vida? Com a sua banda, cantor ou cantora favorita tão perto que você poderia até tocar neles? Sentado em algum lugar bonito e ouvindo o banjo do seu lado?

Para você poder sonhar com estas possibilidades, o FolkdaWorld selecionou sete shows folks inesquecíveis que você nunca foi, mas daria um braço ou rim, ou os dois, para ter visto. Então desliguem os microfones e vamos nessa!

1. Um passeio por Roma com Of Monsters and Men

Para começar bem, que tal um pouco de folk nas ruas estreitas da Cidade Eterna? Em 2013, a banda islandesa Of Monsters and Men participou de uma das sessions diferenciadas do blog francês La Blogotheque e fez um “pequeno show” em um beco da cidade de Roma. O mais curioso é que a gravação aconteceu exatamente no dia em que o Papa Francisco foi escolhido. Na época, a banda chegou a relatar a experiência: “Ao chegarmos em Roma, nós nos sentimos bizarros, fora de sintonia com o resto da cidade”.

Apesar da declaração, o que se ver é uma total sintonia da banda e da cidade. Os integrantes caminham pelas principais ruas de Roma até encontrar em um dos becos um lugar adequado, fazem um círculo e cantam “Dirty Paws” divinamente, ignorando inclusive um táxi que quer passar. Eles ainda despertam a atenção de quem passa. Imagina aí, estar passeando pela capital italiana e dar de cara com Of Monsters and Men.

2. No loft do Beirut

E se você fosse convidado a uma festa na casa do Zach Condon com todos os integrantes do Beirut para ouvi-los tocar? Fica até difícil imaginar o quão louco é isso, mas em 2011, o vocalista da banda americana abriu as portas do seu loft em Nova York para o projeto Red Hot + Rio para cantar algumas de suas músicas de sucesso e mostrar todo o seu amor pela música brasileira. E como se não bastasse, ele ainda faz um cover de “Leãozinho”, de Caetano Veloso. Como não amar?

3. Vance Joy no Park

Nada como uma ida ao parque para relaxar. Aproveitar o verde, ter um pouco de calmaria dentro da rotina maluca na cidade e fazer aquele piquenique. Para ficar bom só se tivesse alguém com um violão cantando “Riptide”. Melhor, poderia ser o próprio Vance Joy. Ora, ora! Pelo menos em São Francisco foi. O cantor australiano participou da South Park Sessions cantando ao ar livre e deixou o clima ainda mais gostoso. Assim fica até difícil se concentrar no livro.

4. Uma viagem com Mumford and Sons, Edward Sharpe and the Magnetic Zeros e Old Crow Medicine Show

Próxima parada: Austin, no Texas. Este trem, sem sombra de dúvidas, está destinado à glória. Mas não era para menos, principalmente, quando se juntam Mumford and Sons, Edward Sharpe and the Magnetic Zeros e Old Crow Medicine Show para prestar uma deliciosa homenagem ao artista folk, Woody Guthrie, ao cantarem “This Train Is Bound For Glory”.

O lugar escolhido para a apresentação não poderia ser melhor. Eles fizeram uma “rodinha de folk” nos trilhos de um trem, onde todo mundo canta, todo mundo dança e todo mundo se diverte, no melhor estilo festa na fazenda, com direito a solo de gaita no início da canção. Então, não se distraia com a dancinha da galinha de Alex Ebert, do Edward Sharpe, e curta esta viagem para a glória também.

5. Lugar de hippie é na praça com Edward Sharpe and the Magnetic Zeros

Aproxime-se, tire os seus sapatos e sente-se no chão para curtir esta bela tarde com os hippies do Edward Sharpe and the Magnetic Zeros. Em 2011, a banda tocou no Parque México, na Cidade do México, de forma bem à vontade em um dos pontos turísticos da capital mexicana, atraindo a atenção de quem passava pelo local. Teve gente que se uniu à banda e, muito provavelmente, não se arrependeu.

6. Eu só peço um bar, um violão e um café ouvindo Marcus Mumford

Nada mais intimista do que ir a um café com voz e violão. As luzes baixas, os sussurros ao longe e a atenção totalmente voltada para a música. Famoso por ser uma casa de jazz, música clássica e folk, o Caffe Vivaldi recebeu uma apresentação para lá de especial do vocalista do Mumford and Sons, em 2012.

Sentado em um banquinho no pequeno palco do café, Marcus Mumford mostrou que, com sua incrível voz e seu violão, é capaz de hipnotizar qualquer um. Em um dos momentos da apresentação, ele divide os microfones com o cantor e ator Oscar Isaac, mas o ponto alto é quando ele interpreta a canção “The Boxer”, da banda Simon & Garfunkel, regravada pelo Mumford. É um daqueles momentos que você fecha os olhos, imagina e, por fim, torce para acontecer pelo menos uma vez na sua vida antes de morrer.

7. Um pôr-do-sol iluminado

E chegamos ao nosso último show inesquecível, que na verdade foi o primeiro que eu vi e fiquei pensando sobre o quanto eu gostaria de ter estado ali, vendo aquele lindo sunset, ouvindo The Lumineers, em um telhado de uma casa na cidade de São Francisco.

Particularmente, eu não sei dizer do que gostar mais neste show: se das lâmpadas, que ajudam a ressaltar as cores da cidade ao fundo, ou talvez das cores do céu, enquanto o Wesley canta. E que voz, senhoras e senhores! Também adoro o vento que bate no cabelo da Neyla Pekarek, enquanto ela toca o violoncelo no meio da galera, ou a banda toda no meio da galera. E ainda tem aquele momento da interação do público, que deixa tudo ainda mais encantador. Eles fazem uma espécie de percussão com chaves e ainda cantam na parte final da música com a banda.

Compartilhe